ARQUITETURA: FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO E INSPIRAÇÃO
Todo ambiente construído deve ter sua forma e função voltada para o objetivo no qual o edifício foi pensado. Sendo o templo um local para reunir pessoas de uma mesma fé, este edifício deve ter sua forma e função com características de templo, cuja finalidade é a adoração, o culto a Deus. Ocorre que nem todos os edifícios em que se realizam cultos religiosos podem ser qualificados como verdadeiros templos no sentido arquitetônico. O propósito do espaço destinado ao templo é de ajudar a estabelecer uma conexão entre nós e Deus, sendo sua característica a de reunir pessoas da mesma fé para uni-las fortalecendo a fé de cada uma.

Arquitetura pode ser uma ferramenta de comunicação quando usada de maneira apropriada para unir e reunir pessoas com a finalidade de buscar a Deus, assim como pode ser uma ferramenta de evangelização, através do simbolismo de vitrais inspirados em passagens bíblicas. Podem ser expressos através de formas, cores, luz, assim os materiais inanimados como madeira, vidro, ferro, concreto e outros tornam-se vivos, quando moldados dentro de formas que expressam símbolos da fé. A forma da concepção do edifício pode comunicar valores cristãos, convidando qualquer pessoa a adentrar no edifício.

Na minha experiência profissional tenho observado que a mesa da santa ceia tem perdido a sua importância dentro do contexto litúrgico das igrejas. Em alguns templos ela é relegada a um local isolado como simples objeto sem nenhum valor, ou esquecida em uma sala, somente lembrada quando da celebração da santa ceia. A arquitetura se utilizada do espaço destinado para a mesa da santa ceia como um instrumento de comunicação, assim como o espaço destinado ao batistério e a pia bastimal valorizando estas celebrações dentro do culto dando a estes atos o local apropriado.

A liturgia deve ter sua expressão dentro do espaço construído dando o tom da característica do ambiente. A arquitetura respeita a dinâmica da liturgia de cada denominação. É importante o conhecimento do dia a dia da igreja, sua história, suas necessidades atuais, projetos para o futuro e liturgia, com base nesses conhecimentos a forma e a função do edifício serão utilizadas de maneira apropriada, equilibrada e consciente.